MK-AUTH

Pedro, tive aqui pensando sobre o tão necessário modo pré-pago e estou aqui para auxilia-lo na metodologia aplicada a execução do algoritimo responsavel pela tarefa.

Cliente pre-pago recebe uma classificação propria

Novo menu de opções exclusivo para clientes pre-pagos:

* dias para corte

* mensagem informando que falta X dias para bloquear a internet por ser pre-pago.

* Não é emitido boletos automáticos como nos usuários pós-pagos que usam carnê e etc.

* O modelo de liberação pode ser semelhante a opção de observação no financeiro do cliente, tipo, quando setar o cliente como pré-pago o sistema irá criar um boleto próprio do mk-auth com vencimento de 30 dias após o 30º dia ele seria bloqueado.

Lembrando que essa funcionalidade é uma das unicas que fazem falta no mk-auth!

Exibições: 2767

Responder agora

Respostas a este tópico


Brunno, não, não da!

Pense na seguinte situação;

Como você ou o sistema iria ou irá identificar o pagamento e liberar para mais 30 dias uma vez que a data de vencimento não podes ser alterada se não manualmente!

Como você pretender fazer esta mudança? na mão?

Isso é quase impossível, por isso eu apontei a necessidade de termos ao nosso favor uma forma de venda de créditos e consequentemente um sistema IGUAL e não parecido com o sistema das operadoras de celulares, ou a coisa desanda da noite para o dia.

Como todos sabemos, o serviço e sistema Mk-Auth é totalmente gratuito sendo que para usarmos temos de comprar somente a licença que nos permite gerenciar uma significativa quantidade de clientes cadastrados.

Eu tenho comigo que o Pedro detenha o conhecimento suficiente para implementar esta ferramenta mas, isso tomaria muito do seu tempo e o que tornaria de imediato improvável de acontecer, talvez exista algum servidor que ofereça esta ferramenta, mas sinceramente eu desconheço, pode custar muito caro e inviável.

Tente fazer os seus clientes dançarem a sua música, não você danças a música deles, pelo menos no ponto de vista quem detém o produto somos nos e quem precisa do produto são eles, lógico dentro do maior respeito as normas do CDC Código de Defesa do Consumidor, pois até aqui existe uma relação de consumo e não há de se cogitar o órgão ANATEL, onde este só atua na fiscalização, interferências, desrespeito a regras reguladas por este órgão.

Sua ideia de vender o equipamento é muito boa, porém particularmente eu acho muito oneroso, isso pode se tornar uma faca de dois gumes, o cliente que paga caro geralmente respeita o serviço contratado, só que por outro lado pode achar abusiva a forma como ele é obrigado a se relacionar com sua empresa.

Pense muito bem antes de tomar qualquer decisão!

Na dúvida consulte um advogado.

Entre criar normas e seguir as que já existem, prefira sempre a segunda opção!

Wyldner Tavares
BRUNNO FRANKLIN DE LIMA ALVES disse:

Cezar, muito obrigado pela atenção e presteza com as quais me ajudou. Meu cenário aqui é um pouco diferente:

1 - Os clientes compram a antena. A Antena + Instalação sai algo em torno de 400 a 500 reais.

2 - A ideia seria a seguinte: Após cadastrar o cliente, é gerado o boleto (ou outra forma de pagamento) e entregue ao cliente.

3 - Assim que ele paga e o sistema identifica o pagamento (seja ele por qual forma for), é liberado o acesso e contados 30 dias.
4 - No 25º, lhe é mandado e-mail e SMS informando nova fatura (código de barras pra pagamento).

5 - Caso o cliente não pague até o 30º dia, a partir do 31º dia ele recebe uma mensagem de aviso no navegador, a cada vez que for acessar a internet, informando seu atraso e com o link para o boleto. (Nesse momento, ele ainda tem conexão, porém reduzida).

6 - No 36º dia, ele perde a conexão. Para restabelecimento, será necessário pagar o boleto.

Essa seria, em linhas gerais, a ideia central. 

Será que o MK-AUTH dá suporte a esta ideia?

 

Vocês estão complicando demais. Pode ser mais fácil.

Minha proposta:

O assinante paga um valor e este valor é dividido por 30. Todo dia em que houver conexão é descontado 1/30 do crédito do assinante. O acesso fica liberado até que o crédito do assinante chegue a zero.

Isso resolve vários problemas, como: descontos por dias sem conexão, boletos pagos muito antes da data, assinantes que pagam dois ou mais meses adiantado e suspensão automática em caso de viagem.

Usou, pagou. Não usou, fica o crédito.

Me desculpa, mas não consigo discernir nesta linha de raciocínio!

Wyldner Tavares

Marco de Freitas disse:

Vocês estão complicando demais. Pode ser mais fácil.

Minha proposta:

O assinante paga um valor e este valor é dividido por 30. Todo dia em que houver conexão é descontado 1/30 do crédito do assinante. O acesso fica liberado até que o crédito do assinante chegue a zero.

Isso resolve vários problemas, como: descontos por dias sem conexão, boletos pagos muito antes da data, assinantes que pagam dois ou mais meses adiantado e suspensão automática em caso de viagem.

Usou, pagou. Não usou, fica o crédito.

Perfeito Cezar, debater com pessoas como você com certeza enriquece o nosso ramo. A ideia seria a seguinte:

Digamos que eu sou o cliente, certo?

Contrato seu serviço de 1M por 59,90 reais no dia 1º novembro;

Dia 25º de novembro me é mandado o código para pagamento do próximo período (caso eu queira renovar);

Eu pago dia 26 o código que você me mandou;

O próximo período começará a contar a partir de 1º de dezembro (pois o período anterior ainda não expirou);

Mas... digamos que eu não paguei o código do boleto que me mandou no dia 25 de novembro;

Dia 1º de dezembro, já recebo minha net mais lenta (pois meu período expirou);

Mas ai, eu vou lá e pago dia 4 de dezembro, ou seja, renovei minha assinatura por mais 30 dias (Agora vou ter acesso com você até dia 03 de Janeiro de 2017)

Eu sei que assim, muito irão se "aproveitar" pra ganhar mais alguns dias de internet, mas convenhamos, se oferecermos um ótimo serviço, o cara não vai querer ficar com a net lenta (vai dar uma puta dor de cabeça pra ele quando ele quiser acessar algo e ficar lá rodando, rodando pra carregar)

E isso também é um diferencial, pois não o bloqueia complemente (Mantém ele conectado, mas de forma reduzida). Creio que isto pode ser visto pelos clientes como um diferencial seu.

Outra vantagem desse modelo é que, você não "amarra" o cliente a você, se ele no próximo mês quiser contratar de outro ele pode, e isso pode ser visto com bons olhos pelo cliente, pois ele se sente livre pra escolher (a não ser que você gere planos pré mais em conta de 3, 6 meses etc)

Eu sempre vejo que, ganhar primeiro do cliente pra provê é sempre melhor que provê para receber, pois acredito que o índice de inadimplência é menor assim, aliás, é nulo! O máximo que pode acontecer é você deixar de receber, pela desconexão do cliente.

Por aqui eu paro de seguir o fórum!

Sorte a todos!

Wyldner Tavares

Essa ideia dos créditos Marco é boa, a diferença dela pra que eu apresentei é puramente do período. Em vez de contar um período de 30 dias (1 mês) é contado o período de 1 dia. Ou seja, o cliente paga o valor por crédito diário.



Marco de Freitas disse:

Vocês estão complicando demais. Pode ser mais fácil.

Minha proposta:

O assinante paga um valor e este valor é dividido por 30. Todo dia em que houver conexão é descontado 1/30 do crédito do assinante. O acesso fica liberado até que o crédito do assinante chegue a zero.

Isso resolve vários problemas, como: descontos por dias sem conexão, boletos pagos muito antes da data, assinantes que pagam dois ou mais meses adiantado e suspensão automática em caso de viagem.

Usou, pagou. Não usou, fica o crédito.

 Marco, adorei a sua ideia!

Inclusive pensei no seguinte cenário: Digamos que o cliente pede 10 dias de acesso (14400 segundos). O tempo começa a decrescer, e só é suspenso o decréscimo em alguns casos específicos (interrupção para manutenção por parte do provedor, suspensão a pedido por parte do cliente etc). Além das vantagens que o Marco apresentou, ainda vejo outra, que é de oferecer a flexbilidade do cliente escolher o n de dias que ele quer acessar. Vai que ele pede 10 dias pra experimentar, e gostando pede mais? Isso é um diferencial competitivo para nós provedores. Genial essa ideia que apresentou, Marco!

BRUNNO FRANKLIN DE LIMA ALVES disse:

Essa ideia dos créditos Marco é boa, a diferença dela pra que eu apresentei é puramente do período. Em vez de contar um período de 30 dias (1 mês) é contado o período de 1 dia. Ou seja, o cliente paga o valor por crédito diário.

O problema do modo pré-pago é como dar desconto por dias parados automaticamente. Porque se a pessoa esta pagando por dias o dia sem conexão deve ser descontado.

BRUNNO FRANKLIN DE LIMA ALVES disse:

 Marco, adorei a sua ideia!

Inclusive pensei no seguinte cenário: Digamos que o cliente pede 10 dias de acesso (14400 segundos). O tempo começa a decrescer, e só é suspenso o decréscimo em alguns casos específicos (interrupção para manutenção por parte do provedor, suspensão a pedido por parte do cliente etc). Além das vantagens que o Marco apresentou, ainda vejo outra, que é de oferecer a flexbilidade do cliente escolher o n de dias que ele quer acessar. Vai que ele pede 10 dias pra experimentar, e gostando pede mais? Isso é um diferencial competitivo para nós provedores. Genial essa ideia que apresentou, Marco!


Verdade Marco. Pesquisando um pouco mais, descobri até que há uma legislação pra planos banda larga pré-pagos. Segundo o que entendi, o cliente deve ser ressarcido pelas interrupções motivadas pelo provedor, que podem ser:

Interrupções previstas (pra manutenção por exemplo): Devem ser avisadas com no mínimo 7 dias de antecedência. Acima de 4 horas de interrupção,  já se é considerado um dia de interrupção, o cliente é ressarcido em 1/30 do que pagou (ressarcido seria devolução do dinheiro ou desconto na próxima fatura). Após 1 dia e 04 horas de interrupção, o cliente já tem direito a 2/30 de ressarcimento, e assim por diante;

Interrupções não previstas: A cada 30 minutos, o cliente deve ser ressarcido por hora de interrupção.

Interrupções motivadas pelo cliente não geram custo para o provedor, que também não podem cobrar pela suspensão.

Fica ai a título de conhecimento, para que os colegas provedores que não sabiam da legislação possam estar atentos. 

Abraços e um feliz 2017!


Marco de Freitas disse:

O problema do modo pré-pago é como dar desconto por dias parados automaticamente. Porque se a pessoa esta pagando por dias o dia sem conexão deve ser descontado.

BRUNNO FRANKLIN DE LIMA ALVES disse:

 Marco, adorei a sua ideia!

Inclusive pensei no seguinte cenário: Digamos que o cliente pede 10 dias de acesso (14400 segundos). O tempo começa a decrescer, e só é suspenso o decréscimo em alguns casos específicos (interrupção para manutenção por parte do provedor, suspensão a pedido por parte do cliente etc). Além das vantagens que o Marco apresentou, ainda vejo outra, que é de oferecer a flexbilidade do cliente escolher o n de dias que ele quer acessar. Vai que ele pede 10 dias pra experimentar, e gostando pede mais? Isso é um diferencial competitivo para nós provedores. Genial essa ideia que apresentou, Marco!

Responder à discussão

RSS

Parceiros

© 2017   Criado por Pedro Filho.   Ativado por

Badges - Divulgar  |  Relatar erro no site  |  Termos de serviço